30 setembro, 2010

Composição Urbana

Partindo das observações realizadas ao longo da pesquisa (e postadas aqui no blog) e das proximidades conceituais entre as técnicas e o suporte utilizado, o trabalho entra no campo da experimentação através de composições urbanaso termo composição urbana é utilizado pelo Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos, em contraposição ao termo intervenção urbana, como convenciona-se denominar ações artísticas realizadas na rua, pois não pretende intervir na cidade, mas sim compor com ela novos contextos – que se configuram através de marcas no corpo social. Tatuagens carcerárias gravadas nos espaços urbanos marginais.

Uma interação com a cidade e seus habitantes, que pretende tornar visível no corpo coletivo, rastros da sua vida, da sua história, trazendo aos olhos fragmentos e indícios da ocupação dos espaços urbanos por grupos de delinqüentes, criminosos e contraventores. E que são quase sempre esquecidos ou ignorados, por transgredirem as regras de conduta da sociedade civilizada.

Ao utilizar de signos retirados e adaptados de códigos fechados, como são as tatuagens de cadeia e a pichação, para deixar exposto a qualquer transeunte os indícios da historia marginal ocorrida no espaço/tempo urbano, o trabalho encontra uma questão importante: Porque fazer meu trabalho na cidade, na rua, onde todos podem ver e poucos poderão compreender minha mensagem?

Para responder esta questão, utilizo conceitos do grupo Corpos Informáticos a respeito de sinais nomadizantes e sinais noRmatizantes. O grupo explica que “o sinal noRmatizante (sic) assemelha-se a tatuagem, é previsível, advém de um projeto, se instala convenientemente em locais pré-estabelecidos, estigmatiza, classifica, e permanece no corpo como marca.”. Porém, acredito que as minhas tatuagens feitas no corpo urbano, atuam como sinais nomadizante, que são definidos como sendo “sinais que produzem uma espécie de cesura, onde a espacialidade e atemporalidade anterior se tornam alteradas; uma tensão imediata e modificadora, arrebatamento, nocaute, desesclarecer momentâneo, questionamento obsceno, perturbador, reflexos perplexos, pausas.” São assim, sinais que retiram o corpo que os carrega da conveniência, e que “permanece na memória do corpo e no corpo da memória.”. Desse modo as marcas que deixam visível a história marginal, as tatuagens deste corpo urbano, signos postos de maneira explicita, ao alcance da visão de todos, são sinais noRmatizantes numa função de sinais nomadizantes.

A ‘denúncia’ está lá escrita, mas não na maneira de um tablóide que escancara em suas manchetes: “EXTRA! EXTRA! PORTA DE ESCOLA SE TORNA BOCA DE FUMO!!!!”, e sim de uma maneira silenciosa, um indício que convida o espectador a um questionamento. Mas um convite, que pode ser aceito, ou não, percebido, ou não. Assim como as pichações não são decifradas por todos, mas apenas por aqueles que buscam tal compreensão, e também como as tatuagens de uma gangue só podem ser lidas em sua plenitude por quem foi iniciado nestes códigos.

Porém, quando se expõe um trabalho ele vai ser lido, de uma forma ou de outra, entendendo-se a idéia inicial do artista ou não, de maneira ‘certa’ ou ‘errada’, em sua totalidade ou parcialmente, ou ainda de uma maneira totalmente nova, pois a leitura é feita de pré-supostos que mudam de expectador para expectador. Aqui encaixaria uma definição do que seria uma Obra-Aberta, uma proposta de um campo de possibilidades interpretativas, como configuração de estímulos dotados de uma substancial indeterminação, de maneira a induzir o leitor a uma série de leituras sempre variáveis; enfim, como constelação de elementos que se prestam a diversos diálogos.

Vale ainda ressaltar, que tal prática se utiliza de métodos para ocupações similares a dos grupos estudados e a dos que serão representados através das marcas. Prática ilegal e atividade de risco, a pigmentação da pele social transgride o planejamento urbano e coloca o artista na mesma situação que seu objeto de estudo. Vista com maus olhos, as ações então foram programadas para as madrugadas, sob a mesma escuridão onde agem os grupos marginais, por apresentarem um menor fluxo social e onde as brechas do sistema ficam mais frouxas e passiveis de ocupações.

Dentro de um universo de possibilidades, de histórias que poderiam ser sinalizadas, escolhi apenas três para iniciar estes tipos de composições. Rastros de prostituição, tráfico de drogas, e roubos foram estudados e configuram esta etapa prática dos trabalhos. São composições marginais que interagem com o espaço, sugerindo questionamentos e novos olhares para uma mesma cidade e cidadãos.

(continua...)

Referências:

Composição Urbana (CU) e Ueb Arte Iterativa (UAI) – Práticas e teorias artísticas do Corpos Informaticos.

NOTA: para visitantes de primeira viagem, aconselho dar uma olhada na APRESENTAÇÃO e se pá, na INTRODUÇÃO também.

2 comentários:

Maíra . disse...

hein taiom, dá uma lida nesse trabalho:
www.antropologiasocial.ufpr.br/dissertacoes/25.pdf
bjo.

Cláudia Porto disse...

Taiom, o seu trabalho é apaixonate, gostaria de um bate-papo aqui no espaço que trabalho. Mas é aqui em Belém cquando vc virá por aqui?
Bj.
Cláudia Porto